1.5.06

Bate-papo com Raquel Almeida sobre jornalismo na Internet

As duas aulas que darei a uma turma de graduação em comunicação da PUC, esta semana, foram o gancho para uma ótima conversa com a jornalista Raquel Almeida na sexta passada. Ela é a gerente de conteúdo do Globo Online e, desde o ano passado, tem me dado ótimas dicas sobre o que há interessante por aí no que se refere à conquista da web pelo jornalismo.

Desta vez, nossa conversa girou em torno de dois pontos principais, bastante ligados entre si, sobre os quais gostaria de falar em aula: a integração de mídias, na web, e o que se espera da nova geração de repórteres que está entrando no mercado de trabalho.

Quando deixei O Globo, há mais ou menos cinco anos, o Globo Online veiculava basicamente texto - conteúdo já publicado no jornal e plantões com notícias frescas produzidas ao longo do dia. Hoje, todas as editorias, com destaque para a de Cultura, veiculam também fotos, pequenos vídeos e áudio, além de ar acesso a blogs, pesquisas e serviços on line.

O leitor prestigiou as mudanças. Nos últimos dois anos, os acessos dobraram e o Globo Online tornou-se o quarto endereço de notícias mais acessado da web, depois de Uol, Folha Online e Terra. A empresa ainda tem bem menos braços do que Raquel gostaria, mas ganhou importância nas Organizações Globo.

O Globo Online hoje tem câmeras próprias - de vídeo digital e fotografia - e já treinou mais da metade de sua equipe a usá-las. Em breve, oferecerá um curso de edição de vídeo para a web.

Perguntei a Raquel se ela acha necessário que os novatos já cheguem com conhecimentos técnicos para usar esses equipamentos. "Se souberem, melhor, mas isso não é o principal. Mais importante do que o treinamento técnico é ter cabeça para compreender que recurso melhor combina com a notícia que será produzida", disse.

Vamos a alguns exemplos. Numa matéria sobre a volta dos mutantes, ficou genial filmar um trecho de ensaio. O recurso audiovisual mata a curiosidade sonora e a visual: será que, na nova formação, os integrantes conseguirão manter intacto o antigo estilo?

Numa matéria sobre o concurso que elegeu as mulheres mais bonitas do mundo, a equipe de cultura decidiu preparar uma exibição de fotos da eleita brasileira Juliana Paes, ao som de uma música da banda Black Eyed Peas. Bingo!

"Procuramos escolher a mídia que combina melhor com cada assunto; entregar informação no seu melhor", disse Raquel.

Linguagem web - O momento é de descoberta. O Globo Online está tateando para descobrir a linguagem da web, e tem sido feliz em muitas dessas tentativas. Eles não querem concorrer com a tevê; nos cursos que oferecem, não pretendem formar câmeras ou fotógrafos profissionais. É por isso que quem está chegando tem que, antes de mais nada, saber pensar.

"Não precisamos de imagens perfeitas. O 'sujo' fica bem na web", me disse Rodrigo Pinto, editor de Cultura do Globo Online. "Precisamos de boas idéias".

Tanto ele como Raquel destacaram que, na web, o trabalho só flui bem quando é feito em equipe. E isso não é papo de RH. A autoria é diluída; a vaidade precisa ser deixada de lado. Roland Barthes previu a morte do autor na literatura; a web põe em questão a morte da autoria jornalística.

Há um deslocamento de importância do jornalista - que está acostumando a produzir matérias pensando no efeito elas produzirão na concorrência - para o leitor. O leitor, na web, é rei.

De leitor para leitor - Pensando nessa extraordinária figura que, afinal, sustenta os veículos de comunicação, os principais sites de notícias têm bolado uma série de novos produtos e serviços. Durante a Copa do Mundo, quando completa dez anos, o Globo Online fará uma de suas primeiras experiências de jornalismo participativo. Veiculará um blog com as impressões de dez leitores sobre o campeonato - cinco deles na Alemanha e os outros cinco, no Brasil.

Eles compartilharão com outros leitores as impressões de quem não tem acesso privilegiado a jogos e a jogadores, mas vive o clima da Copa, a angústia de cada partida, com coração de brasileiro sofredor.

Peguntei a Raquel se ter um blog é uma experiência que conta pontos para um jornalista novato. Ela disse que sim, mas pondereu que acha difícil que blogs de jornalistas não conhecidos alcancem audiência significativa. Ainda são as mídias tradicionais que dão nome e credibilidade aos jornalistas. Os blogueiros Moreno, Noblat, Fernando Rodrigues, Josias de Souza - todos, sem exceção, conquistaram fontes e leitores fora da web.

Expliquei que fiz essa pergunta porque acredito que os blogs, mesmo os mais pessoais, ajudam a praticar a escrita e a compreender a web - o que acho altamente desejável. Não vejo o jovem jornalista com a expectativa de concorrer com os campeões de audiência, mas sim de encontrar um modo (próprio) de expressão. Raquel concordou.

"Essa nova geração, que já nasceu usando a Internet, tem mais facilidade para se dar bem nesse novo mercado?", eu quis saber. Raquel acha que a familiaridade é, sim, uma vantagem, mas que na prática tem visto essa galera chegar ainda muito focada no prestígio que a mídia pode dar. "A maioria quer mesmo ser a Fátima Bernardes, estar na Veja, no Globo, na TV Globo". "Poucos percebem que as oportunidades hoje estão no mundo online e que na Internet dá para fazer rádio, tevê e jornal, tudo ao mesmo tempo", acrescentou.

4 Comments:

Anonymous Elizabeth Sucupira said...

Amei o blog, Larissa !!
Recebi um email da Júlia com o endereço e resolvi passar por aqui...
Super interessante mesmo !
Aliás, vou dar uma aula na PUC pela cadeira eletiva da CBN e gostei muito deste post sobre o "jornalismo que conquista a web"...
Muito bom !!
Um beijão e sempre que der venho te visitar por aqui !!
Elizabeth.

7:36 PM  
Blogger Nathy said...

Larissa!!!
Ex-Jotinhas aparecendo pra visitar seu blog, ta vendo? :)
Tambem gostei muito!! Vou passar mais vezes.
Beijao

11:32 AM  
Blogger Rafael Martí said...

Olá Larissa,
trabalhei com sua irmã no JB e ela me passou seu blog. Muito bom o texto sobre o mito do jornalsita. Foi a coisa mais realista que já li sobre a profissão.
Parabéns e tomara que você se torne mais uma coleguinha blogueira.

Grande abraço

Rafael Martí

3:02 PM  
Anonymous Anônimo said...

Larissa,

Adorei suas aulas, foram muito interessantes!

Obrigada!!

4:29 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home